Notícia do jornal "O Estado de São Paulo" de 24 de abril de 2006

http://www.estadao.com.br/ultimas/mundo/noticias/2006/abr/24/106.htm

Irã considera retirada de Tratado de Não-proliferação Nuclear

Em discurso que levantou a possibilidade de deixar o acordo, Mahmoud Ahmadinejad voltou a pedir fim do estado de Israel

TEERÃ - O presidente iraniano, Mahmoud Ahmadinejad, deu a entender nesta segunda-feira que o Irã está considerando se retirar do Tratado de Não-proliferação Nuclear e disse não acreditar que o Conselho de Segurança da ONU irá impor sanções contra Teerã.

Ahmadinejad disse que o Irã vai reconsiderar sua política para com o Tratado de Não-proliferação Nuclear (TNP) e a sua participação na Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) se o país continuar a ser prejudicado.

"O que os mais de 30 anos de participação da agência nos deu?", perguntou o líder iraniano.

A agência, um braço da ONU, acusou o Irã de não responder todas as questões à respeito de seu programa nuclear e enviou o país ao Conselho de Segurança por não cooperar com suas demandas.

O Conselho de Segurança deu a Teerã até sexta-feira para suspender o enriquecimento de urânio, um processo que pode produzir tanto combustível para reatores nucleares quanto para a construção de ogivas atômicas. O Irã se recusou a atender as demandas, argumentando que suas intenções são pacíficas. Segundo Ahmadinejad, o fato de o Irã fazer parte do Tratado de Não-proliferação Nuclear dá esse direito ao país.

Ahmadinejad contra Israel - Em amplo ataque contra Israel, Ahmadinejad disse que este Estado "artificial" não pode continuar a existir. O presidente iraniano está em uma campanha contra Israel. Em outubro de 2005, ele afirmou que o estado judeu deveria ser "apagado do mapa". Ele diz que a Europa deveria achar um território diferente para os israelenses, que não devem habitar a terra palestina.

"Cerca de 60 anos passaram desde o fim da Segunda Guerra Mundial, por que as pessoas da Alemanha e da Palestina devem pagar agora por uma guerra que ocorreu em uma outra geração?" perguntou Ahmadinejad neste segunda. "Abram as porta (da Europa) e deixem os judeus voltarem a seus próprios países", concluiu o presidente.

Comentário: (clique sobre os textos em destaque para mais informações)

O presidente do Irã volta a atacar Israel, pedindo para que seja decretado o fim do Estado de Israel e que o povo judeu se retire da região da Palestina. A hostilidade do presidente iraniano em conjunto com o desenvolvimento de armas nucleares em seu país denota que a aliança inimiga de Israel profetizada em Ezequiel 38-39 está ganhando formas definidas a cada dia.

As notícias anteriores relacionadas a este mesmo assunto denunciam que Rússia, Irã e Líbia possuem realmente uma aliança militar. A Rússia tenta passar a imagem de neutralidade e diplomacia perante à situação, mas declaradamente é aliada ao Irã, a ponto de oferecer seu território para que o Irã continue desenvolvendo tecnologia para fabricação da bomba atômica.

Em Ezequiel 38:2-6, Deus revela ao profeta Ezequiel os detalhes da aliança inimiga de Israel no final dos tempos:

"Filho do homem, dirige o teu rosto contra Gogue, terra de Magogue, príncipe e chefe de Meseque, e Tubal, e profetiza contra ele. E dize: Assim diz o Senhor Deus: Eis que eu sou contra ti, ó Gogue, príncipe e chefe de Meseque e de Tubal. E te farei voltar, e porei anzóis nos teus queixos, e te levarei a ti, com todo o teu exército, cavalos e cavaleiros, todos vestidos com primor, grande multidão, com escudo e rodela, manejando todos a espada. Persas, etíopes, e os de Pute com eles, todos com escudo e capacete Gômer e todas as suas tropas; a casa de Togarma, do extremo norte, e todas as suas tropas, muitos povos contigo."

Segundo os historiadores, estes povos correpondem a:

Gogue e Magogue: Rússia
Persas: Países Árabes (inclusive o Irã)
Etíopes: Etiópia
Pute: Líbia

Gômer e Togarma: Turquia e Irã, pois estes povos correspondem aos territórios destes destes dois atuais países

O ano de 2006 é um ano de se redobrar a vigilância e a oração. Os eventos indicam que a geração atual pode mesmo ser a que presenciará o Arrebatamento da Igreja. Ao que tudo indica, falta muito pouco tempo para a volta de Jesus e ainda temos muito trabalho evangelístico pela frente.

Nota: Queremos deixar claro que não temos nada contra o povo iraniano, líbio ou qualquer outro povo de origem árabe ou russa. Os acontecimentos aqui citados dizem respeito a governos, líderes, manobras políticas vindas de governantes, e não ao povo em geral. Nosso papel é alertar a respeito do cumprimento das profecias bíblicas que antecedem o Arrebatamento, a Tribulação e o Aparecimento Glorioso de Cristo.

Clique aqui e aprenda mais sobre este sinal do fim dos tempos.

Estude os sinais do tempo do fim, clicando aqui .

A Paz do Senhor a Todos!

Notícias anteriores relacionadas ao mesmo tema:

12/04/2006 - EUA querem "fortes medidas" contra o Irã

15/03/2006 - Irã anuncia acordo com a Rússia para encerrar polêmica nuclear

20/02/2006 - Irã e Rússia iniciam negociações sobre programa nuclear

11/01/2006 - EUA e Europa criticam retomada de programa nuclear do Irã

14/12/2005 - Presidente iraniano diz que Holocausto é um mito

17/11/2005 - Irã reconhece que satélite é capaz de espionar Israel

27/10/2005 - Presidente do Irã diz que Israel é "mancha vergonhosa"

27/04/2004 - Vladimir Putin chega a Israel em visita histórica

24/03/2005 - Kadafi ridiculariza israelenses e palestinos em cúpula árabe

01/03/2005 - Rússia se diz obrigada a ajudar programa nuclear iraniano

18/02/2004 - Putin promete mais e melhores armas para a Rússia

19/12/2003 - Kadafi promete abandonar armas proibidas, diz Blair

Últimas Notícias

1