Notícia do jornal "Folha de São Paulo" de 22 de janeiro de 2008

http://www1.folha.uol.com.br/folha/dinheiro/ult91u365823.shtml

Bolsas européias tornam a cair afetadas com temor sobre economia dos EUA

As Bolsas européias tornaram a cair nesta terça-feira, após o pregão de ontem, quando as perdas chegaram a passar de 7% em alguns mercados. Continua no horizonte a preocupação com a possibilidade de recessão nos EUA. Na Ásia, as Bolsas também tiveram outro dia de quedas, com perdas expressivas em Hong Kong, Xangai e Tóquio.

A Bolsa de Hong Kong houve queda de 8,7% - perto da maior perda já registrada, de 8,8%, registrada após o 11 de Setembro. A Bolsa de Xangai fechou em queda de 7,22% (maior 4 de junho). O índice Nikkei 225, da Bolsa de Tóquio, fechou em queda de 5,64%. Na Índia, a queda foi tão forte que as negociações chegaram a ser suspensas.

Apesar da queda da Bolsa de Tóquio e da valorização do iene frente o dólar, ministros japoneses afirmaram que o governo não vai intervir no mercado. O vice-ministro porta-voz, Matsushige Ono, afirmou que o governo espera que a economia continue se recuperando, mas destacou que acompanhará os eventos nos mercados de perto.

Às 10h15 (em Brasília), a Bolsa de Londres operava em baixa de 0,71%, com 5.538,40 pontos; a Bolsa de Paris caía 0,92%, para 4.700,65 pontos; a Bolsa de Frankfurt estava em baixa de 1,53%, operando com 6.686,50 pontos; a Bolsa de Milão estava em baixa de 1,07%, caindo para 25.333 pontos; a Bolsa de Amsterdã tinha perda de 0,0,53%, indo para 420,22 pontos; e a Bolsa de Zurique caía 0,97%, para 7.216,64 pontos.

Pouco antes, o índice FTSEurofirst 300 --que reúne ações as principais empresas européias-- registrava baixa de 0,5%, operando com 1.273,63 pontos (depois de recuar para 1.223,36 pontos, menor nível desde novembro de 2005). Ontem, o índice chegou a cair 6%, menor nível desde os ataques de 11 de setembro de 2001 contra as Torres gêmeas do World Trade center, em Nova York.

As ações do setor financeiro conseguiram reverter perdas logo após a abertura; entre elas, estão as do Santander (2%), do Royal Bank of Scotland (0,7%) e do UBS (2,9%). Os setores bancário e de seguradoras estiveram entre os que mais caíram ontem, com o risco de que a economia dos EUA, em desaceleração e, segundo pesquisas e analistas, a caminho de uma recessão.

"Há muito medo nos mercados do mundo inteiro", disse à agência de notícias Reuters o estrategista Tom Hougaard, da City Index Markets.

O estrategista da AXA Investment Managers em Paris Franz Wenzel disse que os mercados emergentes também estão perdendo, o que "é o fim da teoria do descolamento". "Esses mercados não estão imunizados, afinal de contas."

Em queda estavam os papéis das empresas no setor de energia --entre eles os das petrolíferas Total (-2,2%), British Petroleum (-2,7%) e Royal Dutch Shell (-1,2%).

EUA - As Bolsas norte-americanas estiveram fechadas ontem, devido ao feriado do Dia de Martin Luther King. A expectativa dos analistas é que Wall Street retome as atividades hoje, já operando em queda.

Com o feriado ontem nos EUA, sem divulgação de indicadores econômicos ou de resultados corporativos, os investidores não tiveram referências significativas para a realização de negócios e o temor de que os EUA estejam perto de uma recessão dominou os ânimos.

No Brasil, a Bovespa (Bolsa de Valores de São Paulo) amargou seu pior tombo desde o notório 27 de fevereiro do ano passado, quando os mercados globais reagiram às fortes perdas na Bolsa chinesa. O Ibovespa, indicador que reflete os preços das ações mais negociadas, teve perdas de 6,6%.

"Podemos ver que os investidores perderam a confiança na capacidade de o governo americano lidar com o problema dos créditos 'subprime' [de maior risco]", disse o estrategista Castor Pang, da Sun Hung Kai Financial, segundo a agência de notícias Associated Press. 'A política de dar estímulo à economia não ficou à altura das expectativas".

Na semana passada, o presidente dos EUA, George W. Bush, anunciou as linhas gerais de um plano de estímulo à economia do país; entre as medidas a constarem do plano está um incentivo fiscal de cerca de US$ 145 bilhões. O governo pretende, assim, evitar uma queda nos gastos do consumidor (que respondem por cerca de 70% de toda a atividade econômica americana).

O plano foi julgado como insuficiente. O Federal Reserve (Fed, o BC americano) vem cortando juros (foram três consecutivos no ano passado) a fim de baratear o crédito e levar consumidores e empresas a tomar mais empréstimos e realizar novos financiamentos, para que a economia não entre em recessão.

Comentário: (clique sobre os textos em destaque par a mais informações)

Estamos reforçando o comentário da notícia de 16/01/2008, publicada aqui no site do Ministério:

Basta uma oscilação em uma das bolsas de valores mundiais e todas as outras acompanham a mesma oscilação. Esse é um claríssimo exemplo de que as economias mundiais hoje estão solidamente interligadas. Apesar de usarmos o termo "solidamente", na realidade o fato revela uma fragilidade da economia mundial.

Tais fatos favorecem o direcionamento das economias à uma única economia, como opção de sobrevivência com uma visão falsa de prosperidade. Essa será a estratégia do anticristo, que consolidará a economia mundial através da marca da besta. A marca, além de ser o símbolo da lealdade ao anticristo por parte de todos que a recebem, será também a garantia de comércio durante seu governo. Claro que nem precisamos mencionar que a intenção do anticristo será controlar com mão de ferro a economia mundial.

O clímax dessa centralização do controle político-econômico nas mãos do anticristo ocorrerá na segunda metade da Tribulação. Será a ascensão da Babilônia político-econômica descrita em Apocalipse 18, a qual será destruída por Deus no espaço de uma hora somente.

Estude mais sobre o fator da economia em crise como sinal do final dos tempos, clicando aqui.

Estude os sinais do fim dos tempos clicando aqui.

Notícias anteriores relacionadas ao mesmo tema:

16/01/2008 - Ações da Ásia têm forte queda por medo de recessão nos EUA

24/08/2007 - Sudeste asiático planeja mercado comum para 2015

13/08/2007 - Banco do Japão injeta US$ 5 bilhões no mercado

26/04/2007 - Criação de moeda única não ocorre 'da noite para o dia'

29/11/2006 - Encontro entre Lula e Khadafi é cancelado

07/11/2006 - Projeto de lei no Senado prevê controle da Web brasileira

31/10/2005 - ONU exige que EUA deixem controle da internet

26/10/2005 - EUA lutam para manter o controle sobre os domínios da web

01/10/2005 - EUA rejeitam deixar controle da internet para ONU

14/09/2005 - ONU sedia a maior cúpula mundial de todos os tempos

29/07/2005 - G-4 aguarda aval africano à proposta de reforma na ONU

11/07/2005 - ONU discute a expansão do Conselho de Segurança

04/06/2005 - Países neutros mediarão reforma no Conselho de Segurança

02/06/2005 - China declara "perigosa" ampliação do Conselho da ONU

Últimas Notícias