Notícia do jornal "O Estado de São Paulo" de 25 de agosto de 2009

Coreia do Norte faz 2º teste nuclear e lança mísseis

Abalo 'de explosão atômica' subterrânea é registrado por EUA, Rússia e sul-coreanos; país disparou 2 projéteis

PYONGYANG - A Coreia do Norte anunciou nesta segunda-feira, 25, que realizou com sucesso um teste nuclear subterrâneo semanas depois de ameaçar restabelecer seu programa atômico. A Agência de Notícias Central Coreana, órgão estatal, disse que o teste faz "parte das medidas para sua linha de autodefesa nuclear". Também foram testados dois mísseis de curto alcance, informou a agência de notícias sul-coreana Yonhap. Inicialmente, a agência havia informado que a Coreia do Norte havia testado um míssil terra-ar, com alcance de 130 km. Posteriormente, citando fontes, a Yonhap disse que foram disparados três mísseis.

A Agência Meteorológica do Japão também disse ter detectado atividade sísmica na manhã desta segunda-feira, afirmando que teste nuclear realizado pela Coreia do Norte foi quatro vezes mais potente do que o primeiro, feito em 2006. Em Seul, o Instituto de Geociências e Recursos Minerais da Coreia registrou um terremoto de 4,5 graus em Kilju, na província de Hamgyong Norte, na Coreia do Norte. O país já havia realizado um teste nuclear em outubro de 2006 em Kilju, o que provocou sanções das Nações Unidas e levou cinco países a negociar com o governo norte-coreano um acordo de desarmamento em troca de ajuda.

Um porta-voz dos Chefes Adjuntos do Estado-Maior da Coreia do Sul informou que as tropas do país foram colocadas em alerta intensificado e que "estão monitorando de perto a movimentação das tropas da Coreia do Norte". O porta-voz acrescentou que Seul ainda não havia confirmado oficialmente o teste, embora ele seja "altamente possível". O ministro da Defesa, Lee Sang-hee, cancelou uma viagem de três dias à China.

Segundo o Ministério da Defesa da Rússia, a força da explosão foi de 10 a 20 quilotons, muito mais forte do que a do teste de 2006, que não chegou a um quiloton. Um quiloton é equivalente a mil toneladas de explosivos.

O regime lançou dois novos mísseis de curto alcance em uma tentativa de dissuadir aviões espiões americanos, informou a agência Yonhap. Fontes governamentais sul-coreanas disseram que os dois projéteis foram lançados da costa de Wonsan, próxima à zona onde aconteceu o teste nuclear subterrâneo e de onde foi disparado pouco depois um primeiro projétil terra-ar.

Segundo a Yonhap, os últimos lançamentos norte-coreanos podem estar dirigidos a dissuadir movimentos de aviões espiões dos EUA em busca de informação sobre o teste nuclear. Algumas aeronaves espiãs tinham sobrevoado recentemente o lugar onde o regime parece ter realizado seu segundo teste nuclear.

Resposta americana - O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, qualificou de "ameaça à paz e à segurança internacionais" o novo teste nuclear, seguido da prova com um míssil. Em comunicado, o presidente americano argumentou que "o perigo que as atividades ameaçantes da Coreia do Norte representam merecem uma ação (de resposta) por parte da comunidade internacional".

Obama sustentou que o desafio ao Conselho de Segurança da ONU significa que a Coreia do Norte está enfrentando direta e temerariamente a comunidade internacional. Acrescentou que o comportamento da Coreia do Norte aumenta as tensões e solapa a estabilidade no nordeste da Ásia e que "tais provocações servirão apenas para aprofundar o isolamento de Pyongyang".

Após assegurar que as tentativas da Coreia do Norte de desenvolver armas nucleares, além de seu programa de mísseis balísticos, constituem uma ameaça para a paz e a segurança internacionais, Obama advertiu que os EUA estão consultando com outras nações as medidas a adotar contra Pyongyang. "O perigo que representam as atividades ameaçadoras da Coreia do Norte merecem uma resposta por parte da comunidade internacional. Estivemos colaborando e continuaremos colaborando nos próximos dias com nossos aliados e parceiros nas conversas de seis lados, além de com os outros membros do Conselho de Segurança da ONU", afirmou Obama.

Comentário: (clique sobre os textos em destaque para mais informações)

O presidente-ditador norte-coreanos vem desafiando o Ocidente há bom tempo. Sem dúvida, os testes são afronta da Coreia do Norte a todos os que por eles são considerados como inimigos. Os países ao redor ficaram em pânico e obviamente apreensivos com os próximos passos do governo norte-coreano.

Assim como Jesus disse, logo antes de Sua volta haveria guerras e rumores de guerras, conforme registrado em Mateus 24.

Saiba mais sobre o sinal das guerras e rumores de guerras clicando aqui

Saiba mais sobre os sinais do tempo do fim clicando aqui

A Paz do Senhor a todos!  

Notícias anteriores relacionadas ao mesmo tema:

26/08/2008 - Rússia poderá responder militarmente ao escudo anti-mísseis

04/01/2008 - Agentes britânicos chegam ao Paquistão para investigar morte de Bhutto

12/12/2007 - Triplo atentado no Iraque deixa ao menos 26 mortos

13/09/2007 - Explosão mata xeque sunita aliado aos EUA no Iraque

19/06/2007 - Mortos no Iraque chegam a 8.073 em 2007 com ataque de hoje

30/12/2006 - Saddam Hussein é executado na forca

13/12/2006 - Saddam será executado e enterrado em segredo, diz jornal

05/11/2006 - Saddam condenado à morte por enforcamento

01/11/2006 - Iraque está a beira do caos, afirma documento militar

26/07/2006 - Saddam pede para ser morto a tiros em caso de condenação

21/06/2006 - Advogado de Saddam é assassinado em Bagdá

06/12/2005 - Iraque adota medidas de segurança para as eleições

23/06/2005 - Atentados em série deixam 15 mortos no Iraque

25/04/2005 - EUA pressionam Iraque a formar governo; violência continua

06/04/2004 - Curdo Jalal Talabani é o novo presidente do Iraque

08/10/2004 - Bush insiste: derrubar Saddam foi "a coisa certa"

30/06/2004 - Ministro iraquiano defende execução de Saddam

30/06/2004 - Governo do Iraque assume amanhã custódia de Saddam

01/06/2004 - Conselho de Governo do Iraque se dissolve

16/12/2003 - Prisão de Saddam Hussein - por que este fato se encaixa no contexto do final dos tempos?

Últimas Notícias