Notícia do jornal "Folha de São Paulo" de 20 de agosto de 2010

Israel aceita convite dos EUA para retomar diálogo direto com palestinos

IsraelPalestina O primeiro-ministro de Israel, Binyamin Netanyahu, aceitou nesta sexta-feira o convite dos Estados Unidos para retomar as negociações diretas de paz com os palestinos, em uma reunião tripartite em setembro próximo, em Washington (EUA).

Um porta-voz do premiê afirmou às agências de notícias que Netanyahu aceitou convite e afirmou que "conseguir um acordo de paz é difícil, mas possível".

Ele disse ainda que chegará à mesa de negociação "com o desejo genuíno de conseguir a paz entre os dois povos e preservar os interesses nacionais de Israel, o principal deles sua segurança", segundo o site do jornal "Yedioth Ahronoth".

Resta agora a resposta da liderança palestina para confirmar o fim de uma paralisação de 20 meses no diálogo direto, desde dezembro de 2008, quando Israel lançou uma grande ofensiva militar contra a faixa de Gaza. O processo de paz se arrasta há 62 anos.

Diplomatas e fontes ligadas às negociações afirmaram mais cedo nesta sexta-feira que as lideranças palestinas, assim como Israel, aceitaram retomar as conversas diretas de paz.

Netanyahu vem há tempos buscando a retomada das conversações, em boa parte impulsionado pela pressão americana. Ele disse estar pronto a se reunir a qualquer hora com o presidente da Autoridade Nacional Palestina, Mahmoud Abbas.

A secretária de Estado americana, Hillary Clinton, anunciou pouco antes, às 12h, o convite americano para a retomada do diálogo direto.

"Houve dificuldades no passado e haverá dificuldades agora. As conversas atingirão obstáculos e os inimigos da paz continuarão tentando nos prejudicar", disse Hillary, reconhecendo a dificuldade do processo.

Hillary afirmou ainda que as conversas tripartites devem acontecer "sem pré-condições, com boa fé e compromisso com seu sucesso". Apesar da ampla defesa de Israel por um diálogo sem agenda prévia, a liderança palestina foi clara em estabelecer suas condições para retomar as negociações.

Ela falou ainda em um prazo de 12 meses, que o Quarteto para o Oriente Médio (Estados Unidos, ONU, Rússia e União Europeia) diz ser o suficiente para um acordo.

A secretária não deu mais detalhes, mas Mitchell afirmou em resposta às perguntas dos jornalistas que as negociações têm como premissa a criação de um Estado palestino, "vivendo lado a lado [com Israel], em paz e segurança".

As demais bases do diálogo, incluindo a fronteira do novo Estado, serão definidas por israel e pela Autoridade Nacional Palestina.

PRAZO E PLANOS - Segundo o enviado, "o único jeito de isso acontecer é com diálogo direto" e os EUA vão atuar com paciência, determinação e perseverança.

Mitchell também reconheceu as dificuldades nas negociações de paz e disse que não espera que elas desapareçam na primeira reunião.

"Sabemos muito bem que a desconfiança entre as partes continua, a hostilidade residual desenvolvida em muitas décadas de confronto e em muitos esforços anteriores que não foram bem sucedidos", disse Mitchell.

"[As diferenças] não serão resolvidas imediatamente, mas acreditamos que a paz ampla no Oriente Médio, incluindo, mas não limitada, ao fim do confronto entre israelenses e palestinos, está dentro dos interesses de Israel, dos palestinos e dos EUA".

Quanto ao prazo de um ano, Mitchell disse acreditar ser possível --mas preferiu não usar a palavra prazo.
"É uma causa tão nobre, tão justa, que o esforço contínuo tem que ser feito", disse Mitchell, que rejeitou comparação de um jornalista de que demorou-se 20 meses apenas para retomar as negociações diretas.

O enviado americano lembrou ainda que os 12 meses foram citados pelo próprio Netanyahu, em sua visita em julho aos EUA e revelou que o presidente americano, Barack Obama, também acredita que um acordo pode sair neste prazo.

O anúncio, contudo, foi apenas o início de um processo de negociação. Nestes primeiros encontros, em setembro, as duas partes devem decidir as datas e locais das próximas reuniões. "Mas esperamos que algumas delas aconteçam na região", disse Mitchell.

O americano disse ainda que os EUA devem oferecer propostas conciliadoras, mas reconhecem estas conversas como essencialmente bilaterais e, portanto, as ideias principais devem vir de Israel e dos palestinos.

As conversas, ainda segundo Mitchell, devem incluir a participação de aliados como o Quarteto, Egito e Jordânia, que já atuam há tempos nos esforços de paz.

Já o grupo islâmico radical palestino Hamas, que controla a faixa de Gaza, será excluído das negociações. Segundo Mitchell, eles não fazem parte do governo executivo palestino e por isso não há motivo para incluir o grupo, considerado terrorista por Israel, nas negociações.

IDAS E VINDAS - As negociações de paz lançadas em Annapolis (EUA), no final de 2007, estão estagnadas desde dezembro de 2008, quando os palestinos abandonaram o processo de paz após o início da ofensiva militar israelense contra a faixa de Gaza, que deixou cerca de 1.400 palestinos mortos, na maioria de civis.

Posteriormente, Abbas se negou reiteradamente a voltar à mesa de negociação enquanto Israel não paralisasse totalmente a ampliação das colônias judaicas na Cisjordânia.

Em março passado, Abbas aceitou iniciar conversas indiretas de paz sem que se tivesse cumprido sua exigência, mas a aprovação da ampliação de uma colônia em Jerusalém Oriental, durante a visita do vice-presidente dos EUA, Joe Biden, jogou por terra a possibilidade e originou a maior crise diplomática em décadas entre Israel e Washington.

Em visita à Casa Branca em julho, Netanyahu disse estar disposto a tomar passos concretos e seguir com o plano mediado pelos EUA de iniciar diálogo direto em setembro próximo. Ele não afirmou, contudo, quais seriam os requisitos israelenses, ou, ainda mais importante, o que Israel estaria disposto a ceder pelo diálogo.

Por outro lado, semanas depois, Abbas decretou o que considera os termos essenciais para retomar as conversas diretas.

Ele disse que Israel precisa concordar que o futuro Estado palestino deve incluir as terras ocupadas na guerra de 67. Os palestinos querem estabelecer seu Estado na Cisjordânia e na faixa de Gaza, com Jerusalém Oriental como capital --pedido rejeitado por Israel, que considera toda Jerusalém sua eterna capital.

Segundo Abbas, deve haver ainda uma terceira parte garantir a segurança do futuro Estado palestino. A segurança da Palestina poderia ser entregue à Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte) --um compromisso que reduziria os temores de Israel de que os palestinos se armariam pesadamente. Israel, contudo, quer manter uma presença no vale da Jordânia, ao longo da fronteira da Cisjordânia.

Há ainda a condição de uma troca justa de terras pelas áreas da Cisjordânia ocupadas com assentamentos judaicos. Palestinos já disseram que não aceitariam uma ocupação superior a 2% do território cisjordaniano.

As pressões diplomáticas se intensificaram nos últimos dias, já que em 26 de setembro vence a moratória de dez meses para a construção de assentamentos nas colônias judaicas da Cisjordânia.

Comentário: (clique sobre os textos em destaque para mais informações)

As negociações de paz na região continuam. Mais um passo para que a profecia bíblica se cumpra em um futuro próximo foi dado hoje. Segundo a profecia bíblica, surgirá um falso messias em breve, o anticristo, que promoverá uma falsa paz, um acordo de sete anos que dará início ao período deTribulação.

Sem dúvida é o desejo de Deus que árabes e judeus se reconciliem. Curiosamente, o livro de Gênesis jamais narra que Deus estaria contra Ismael e a favor de Isaque. Apesar de Deus dizer a Abraão que teria aliança com Isaque, Ele sempre afirma que também abençoaria Ismael e sua descendência. Por isso, orar pela Paz em Jerusalém jamais será ficar a favor do judeu e contra o árabe. No enterro de Abraão, por exemplo, estavam lá Isaque e Ismael em reverência ao pai (Gênesis 25:9). O texto bíblico sugere que, pelo menos, havia respeito entre os dois irmãos.

A verdadeira paz entre judeus e palestinos ocorrerá quando os dois povos se perdoarem, se aceitarem, o que para qualquer historiador ou jornalista é uma alternativa inatingível ou impossível. Entretanto, para Jesus é possível. A verdadeira paz ocorrerá quando os dois povos reconhecerem Jesus como o verdadeiro Messias, o Rei de Jerusalém. Aí é que entra nossa intercessão, nosso papel como cristãos.

Continuem intercedendo pela paz em Jerusalém, pela reconciliação entre árabes e judeus. Se você quiser entender melhor o conflito sobre o Oriente Médio tanto do ponto de vista histórico, como do ponto de vista da guerra espiritual, recomendamos os seguintes livros:

  • Ore pela Paz de Jerusalém (Autor: Tom Hess)
  • O Atlas do Oriente Médio (Autor: Dan Smith)

Como cristãos, não podemos permanecer alheios à situação, mas sim temos que entender a mecânica dos acontecimentos no Oriente Médio. Muitos ficam invariavelmente do lado dos judeus, outros dos palestinos nesta hora. Na realidade, a questão é bem mais profunda do que isto.

Assista a reportagens sobre Israel e o Oriente Médio clicando aqui.

Uma observação importante: orar pela paz em Jerusalém não significa ser a favor ddos judeus e contra os árabes, como muitos deduzem e acabam, por fim, discriminando os árabes. Nossa luta não é contra as pessoas (Efésios 6:12). Lembrem-se que Ismael e Isaque pertencem à mesma semente de Abraão. E Deus promete reconciliar os povos novamente no final dos tempos, durante o Reino Milenar de Cristo, conforme Isaías 19:19-25:

"Naquele tempo o Senhor terá um altar no meio da terra do Egito, e uma coluna se erigirá ao Senhor, junto da sua fronteira. E servirá de sinal e de testemunho ao Senhor dos Exércitos na terra do Egito, porque ao Senhor clamarão por causa dos opressores, e ele lhes enviará um salvador e um protetor, que os livrará. E o Senhor se dará a conhecer ao Egito, e os egípcios conhecerão ao Senhor naquele dia, e o adorarão com sacrifícios e ofertas, e farão votos ao Senhor, e os cumprirão. E ferirá o Senhor ao Egito, ferirá e o curará; e converter-se-ão ao Senhor, e mover-se-á às suas orações, e os curará; 23 Naquele dia haverá estrada do Egito até à Assíria, e os assírios virão ao Egito, e os egípcios irão à Assíria; e os egípcios servirão com os assírios. Naquele dia Israel será o terceiro com os egípcios e os assírios, uma bênção no meio da terra. Porque o Senhor dos Exércitos os abençoará, dizendo: Bendito seja o Egito, meu povo, e a Assíria, obra de minhas mãos, e Israel, minha herança."

Vocês podem até pensar: "Mas se Deus já vai fazer isso mesmo, porque preciso orar pela paz de Jerusalém?". A resposta é que a intercessão muda a história, e a intercessão nesse sentido poderá muito bem acelerar a volta de Cristo e o cumprimento dessa profecia de reconciliação entre árabes e judeus! Houve muita intercessão (desde 1814) antes de se fundar o Estado de Israel em 1948- o processo foi acelerado - o Estado de Israel é uma realidade! E será assim também se intercedermos pelo Oriente Médio, porque Deus nunca muda e Ele cumpre Sua Palavra!

Estude os sinais do tempo do fim, clicando aqui.

A Paz do Senhor a Todos!

Notícias anteriores relacionadas ao mesmo tema:

13/07/2010 - Após pausa, Israel reinicia expansão de colônias em Jerusalém Oriental

17/05/2010 - Irã continuará a enriquecer urânio a 20% mesmo com acordo, diz governo

09/05/2010 - Negociações indiretas com Israel começaram, diz representante palestino

03/04/2010 - Israel ameaça lançar nova ofensiva contra Gaza

07/02/2010 - Ahmadinejad anuncia que ordenou começo do enriquecimento de urânio

18/09/2009 - Países criticam declaração "repugnante" de Ahmadinejad sobre Holocausto

04/08/2009 - Hillary lamenta expulsão de palestinos de Jerusalém Oriental

20/05/2009 - Irã diz ter lançado foguete capaz de atingir Israel e bases americanas 

19/05/2009 - Obama pede que Israel interrompa construção de assentamentos

30/04/2009 - Israel convoca embaixador do Brasil para protestar

01/04/2009 - Premiê alerta que Israel pode atacar Irã se pressão por desnuclearização falhar

28/03/2009 - Premier israelense propôs troca de territórios para a paz, diz Autoridade Palestina

24/03/2009 - Jornal britânico denuncia crimes de guerra de Israel em Gaza

03/03/2009 - Em Israel, Hillary promete lutar por um Estado palestino

02/02/2009 - Hamas é favorável à trégua de 1 ano com Israel

18/01/2009 - Exército israelense diz que iniciou retirada da Faixa de Gaza

05/01/2009 - Exército israelense avança sobre Gaza, mas não impede ataque de foguetes do Hamas

28/12/2008 - Israel ataca e número de mortos em Gaza sobe para 271

20/10/2008 - Kadafi visitará Moscou para negociar US$ 2 bilhões em armas

01/10/2008 - Líder do Irã diz que Israel caminha rumo à destruição

26/09/2008 - Israel 'pediu sinal verde aos EUA para atacar Irã', diz jornal

09/07/2008 - Irã testa míssil que pode alcançar Israel

22/06/2008 - Irã dará resposta 'devastadora' a qualquer ataque, diz ministro

02/06/2008 - Presidente do Irã diz que Israel vai 'desaparecer do mapa'

14/05/2008 - Ahmadinejad diz que Israel está perto da 'aniquilação'

08/05/2008 - Israel inicia comemorações dos 60 anos de sua fundação

28/03/2008 - Israel quer retomar negociações de paz com Síria, diz ministro

18/03/2008 - Alemães sentem "vergonha" pelo Holocausto, diz Merkel em Israel

25/02/2008 - Ato contra bloqueio de Israel em Gaza forma corrente humana

30/01/2008 - Irã aproxima-se de auge nuclear, diz Ahmadinejad

17/01/2008 - Oriente Médio está prestes 'a explodir' contra Israel, diz Irã

14/01/2008 - Israel considera 'todas as opções' para impedir um Irã nuclear

09/01/2008 - Bush chega a Israel para visita histórica à região

04/12/2007 - Israel acredita que Irã retomou programa nuclear de armas

26/11/2007 - Veja as questões centrais do conflito israelense-palestino

06/11/2007 - Israel define Conferência da Paz para final de novembro

24/09/2007 - Irã não atacará Israel nem qualquer outro país, diz presidente

06/09/2007 - Irã diz ter fechado acordo sobre usina nuclear; Rússia nega

23/05/2007 - Irã desafia ONU e intensifica programa nuclear, diz AIEA

18/04/2007 - Ahmadinejad ameaça 'cortar as mãos' de agressores do Irã

25/01/2007 - Irã admite ter recebido mísseis de proteção aérea da Rússia

11/12/2006 - Presidente diz que Irã chegará ao topo da tecnologia nuclear

20/10/2006 - "Israel foi criado para engolir a região", diz Ahmadinejad

25/09/2006 - Vice-presidente do Irã viaja à Rússia para assinar acordo nuclear

23/08/2006 - Resposta "complexa" do Irã pode causar racha no Conselho de Segurança

03/08/2006 - Presidente do Irã diz que solução do Oriente Médio é fim de Israel

01/08/2006 - Irã rejeita resolução da ONU sobre urânio

02/05/2006 - Irã anuncia novo processo nuclear e ameaça Israel

24/04/2006 - Irã considera retirada de Tratado de Não-proliferação Nuclear

12/04/2006 - EUA querem "fortes medidas" contra o Irã

15/03/2006 - Irã anuncia acordo com a Rússia para encerrar polêmica nuclear

20/02/2006 - Irã e Rússia iniciam negociações sobre programa nuclear

11/01/2006 - EUA e Europa criticam retomada de programa nuclear do Irã

14/12/2005 - Presidente iraniano diz que Holocausto é um mito

17/11/2005 - Irã reconhece que satélite é capaz de espionar Israel

27/10/2005 - Presidente do Irã diz que Israel é "mancha vergonhosa"

27/04/2005 - Vladimir Putin chega a Israel em visita histórica

24/03/2005 - Kadafi ridiculariza israelenses e palestinos em cúpula árabe

01/03/2005 - Rússia se diz obrigada a ajudar programa nuclear iraniano

18/02/2004 - Putin promete mais e melhores armas para a Rússia

19/12/2003 - Kadafi promete abandonar armas proibidas, diz Blair

Últimas Notícias