Notícia do Jornal "Folha de São Paulo" de 31 de março de 2013

Grandes depositantes do Banco de Chipre perderiam até 60% de suas economias

Os clientes que depositaram mais de 100 mil euros no Banco do Chipre poderiam perder até 60% de suas economias, convertidas em ações, anunciaram neste sábado membros do governo cipriota, dentro das medidas para evitar a falência da ilha.

Em troca de uma ajuda de 10 bilhões de euros decidida em Bruxelas, as autoridades cipriotas devem chegar a 5,8 bilhões. Por isso, os depósitos superiores a 100 mil euros estão congelados no Banco do Chipre e no Laiki, os dois maiores bancos do país. O primeiro, com 18,5 bilhões em depósitos, deve ser reestruturado. O segundo, com 9,2 bilhões, será liquidado.

Autoridades calculam a porcentagem de depósitos retidos no Banco do Chipre, fixada em 37,5%, mas que poderia chegar a 60%.

Os clientes do banco terão parte de seus depósitos superiores a 100 mil euros, ao menos 37,5%, convertidos em ações. Outros 22,5% serão retidos e deixarão de render juros, até que as autoridades saibam se poderão cumprir as condições do plano de resgate, informou o Banco Central na noite deste sábado.

'A primeira estimativa é de que 37,5% dos depósitos acima de 100 mil euros serão convertidos em ações', anunciou o ministro das Finanças, Michalis Sarris. 'Até que tenham sido feitos todos os cálculos, para saber de quanto capital se necessita, 22,5% ficarão retidos.'

O Banco Central indicou que a decisão final será tomada 'em 90 dias após concluída a avaliação', e que o restante seria entregue ao depositante.

Questionado pela AFP sobre a possibilidade de serem afetados 60% dos depósitos acima de 100 mil euros, Mario Skandalis, autoridade sênior do Banco do Chipre, disse que 'esta é uma possibilidade remota'.

Segundo Mario Mavrides, deputado do partido de direita Disy, do presidente Nicos Anastasiadis, os 40% restantes 'serão colocados em uma conta bloqueada durante seis meses, para impedir que as pessoas retirem todo o seu dinheiro. Mas ao final, retornarão aos clientes', afirmou, assinalando que o prazo de seis meses ameaça a sobrevivência de empresas.

A drástica reestruturação bancária terá consequências dramáticas sobre a economia, alertaram especialistas.

O Instituto Internacional de Finanças (IIF), que representa os maiores bancos do planeta, advertiu que a economia da ilha mediterrânea sofrerá uma queda, que poderia chegar a 20% do PIB nos próximos dois anos, e que sua saída da zona do euro 'é uma possibilidade real'.

Os cipriotas iniciaram neste sábado um fim de semana sob uma norma que limita as operações bancárias. Para as empresas, apenas as operações comerciais habituais e validadas por uma comissão independente estão autorizadas.

Para os correntistas, os saques foram limitados a 300 euros ao dia, e os pagamentos com cartão de crédito no exterior não podem superar os 5 mil euros mensais.

As transferências entre contas bancárias também estão limitadas no Chipre, e proibidas da ilha para bancos estrangeiros, a fim de evitar a fuga de capitais.

Os cipriotas que deixam o país não podem levar mais do que mil euros em espécie.

O decreto que instaurou estas medidas entrou em vigor na última quarta-feira, por um período de quatro dias, mas foi prorrogado por mais cinco. O Banco Central do Chipre informou, no entanto, que as medidas serão avaliadas diariamente, para se decidir se elas podem ser 'ajustadas ou aliviadas'.

Comentário: (clique sobre os textos em destaque par a mais informações)

Uma das marcas do final dos tempos, segundo a profecia bíblica, será uma crise econômica mundial sem precedentes. Tal crise será um dos fatos que alavancará o anticristo a implantar a marca da besta, consolidando e controlando a economia mundial.

Mais um país da zona do Euro está prestes a quebrar e tenta toda ajuda possível para sobreviver economicamente.

A Europa está atualmente muito preocupada. Alguns líderes, como a chanceler alemã Angela Merkel, chegaram a afirmar que a crise atual pode superar o período pós-segunda guerra mundial. Pode parecer exagero, mas é perfeitamente possível que isso ocorra hoje. As medidas de austeridade adotadas pelos países europeus são considerados, por alguns especialistas, como uma espécie de última tentativa para manter o bloco do Euro estabilizado.

Hoje, a economia já trabalha com base em blocos únicos. Um exemplo é reflexo diário das bolsas mundiais às mudanças ocorridas em qualquer país. Portanto, as economias nacionais estão literalmente operando interligadas.

É tempo de vigiarmos pois tais indícios mostram que a Volta de Jesus não está longe de ocorrer, embora não saibamos nem o dia e nem a hora (Mateus 24:36). Somente Deus Pai o sabe.

Estude mais sobre o fator da economia em crise como sinal do final dos tempos, clicando aqui.

Estude os sinais do fim dos tempos clicando aqui.

Notícias anteriores relacionadas ao mesmo tema:

10/06/2012 - Espanha receberá ajuda de € 100 bilhões de países da zona do euro

15/01/2012 - França rejeita novas medidas de austeridade após rebaixamento

19/06/2011 - Eurogrupo e FMI alertam para expansão mundial da crise grega

21/11/2010 - Irlanda deverá aprovar pedido de ajuda econômica da União Europeia e FMI

14/02/2009 - Congresso americano aprova pacote econômico de Obama

23/01/2009 - PIB britânico cai 1,5% e país tem primeira recessão desde 1991

29/09/2008 - Câmara dos EUA veta pacote de ajuda e Bovespa pára

25/09/2008 - Bush diz que economia toda está em perigo e chama candidatos

19/03/2008 - Bolsas européias caem, com ações de bancos, um dia após corte do Fed

10/03/2008 - Petróleo atinge US$ 107 e marca novo recorde em NY

22/01/2008 - Bolsas européias tornam a cair afetadas com temor sobre economia dos EUA

16/01/2008 - Ações da Ásia têm forte queda por medo de recessão nos EUA

24/08/2007 - Sudeste asiático planeja mercado comum para 2015

13/08/2007 - Banco do Japão injeta US$ 5 bilhões no mercado

26/04/2007 - Criação de moeda única não ocorre 'da noite para o dia'

29/11/2006 - Encontro entre Lula e Khadafi é cancelado

07/11/2006 - Projeto de lei no Senado prevê controle da Web brasileira

31/10/2005 - ONU exige que EUA deixem controle da internet

26/10/2005 - EUA lutam para manter o controle sobre os domínios da web

01/10/2005 - EUA rejeitam deixar controle da internet para ONU

14/09/2005 - ONU sedia a maior cúpula mundial de todos os tempos

29/07/2005 - G-4 aguarda aval africano à proposta de reforma na ONU

11/07/2005 - ONU discute a expansão do Conselho de Segurança

04/06/2005 - Países neutros mediarão reforma no Conselho de Segurança

02/06/2005 - China declara "perigosa" ampliação do Conselho da ONU

Últimas Notícias