Notícia do Portal "Globo.com" de 24 de junho de 2016

Reino Unido decide deixar a União Europeia em referendo

Em decisão histórica, que tem potencial para mudar o rumo da geopolítica mundial pelas próximas décadas, os britânicos decidiram em referendo deixar a União Europeia (UE). A opção de "sair" venceu a de permanecer no bloco europeu por mais de 1,2 milhão de votos de diferença, em resultado divulgado por volta das 3h desta sexta-feira (24).

A apuração foi divulgada por áreas de votação e a disputa, bastante acirrada. O "sair" começou à frente e chegou a ser ultrapassado pelo desejo de continuar na UE, mas logo retomou a liderança e foi abrindo vantagem até vencer com quase 51,9% dos votos. Foram 17.410.742 votos a favor da saída e 16.141.242 votos pela permanência.

A vitória do "Brexit" derrubou as Bolsas na Ásia e os mercados futuros da Europa e dos Estados Unidos antes mesmo do resultado oficial ser divulgado. A libra esterlina, moeda do Reino Unido, despencou e atingiu o menor valor frente ao dólar em 31 anos. No Japão, a Bolsa de Tóquio desabou quase 8%.

O referendo derrubou também o primeiro-ministro britânico, David Cameron. "Os britânicos votaram pela saída e sua vontade deve ser respeitada", afirmou o premiê, que deve deixar o cargo em outubro. Ele ponderou que o país precisa de uma nova liderança para levar a decisão adiante. "A negociação deve começar com um novo primeiro-ministro".

Oficialmente, o plebiscito não é "vinculante", ou seja, ele não torna obrigatória a decisão de sair do bloco europeu. Mas o futuro primeiro-ministro britânico dificilmente será capaz de contrariar a decisão da população. Parlamentares também podem bloquear a saída do Reino Unido, mas analistas consideram que isso seria suicídio político.

O presidente do Banco Central da Inglaterra, Mark Carney, afirmou que levará algum tempo para que o Reino Unido estabeleça novas relações com a Europa e o resto do mundo. Disse também uma volatilidade econômica "deve ser esperada",mas não vai hesitar em tomar medidas adicionais para levar a economia adiante.

Votação apertada - Um recorde de 46,5 milhões de eleitores foram convocados às urnas para responder à pergunta: "Deve o Reino Unido permanecer como membro da União Europeia ou sair da União Europeia?" (em tradução livre).

As casas de apostas britânicas, que na quinta apostavam na vitória do "permanecer", mudaram sua tendência na madrugada desta sexta e passaram a prever a vitória do "Brexit" após a divulgação dos primeiros resultados. "Brexit" é a abreviação das palavras em inglês "Britain" (Grã-Bretanha) e "exit" (saída) para designar a saída do Reino Unido do bloco europeu.

Após o fechamento das urnas, às 18h de quinta-feira (23) em Brasília, as casas de apostas deLondres apontavam 90% para a vitória da permanência do Reino Unido na União Europeia. Algumas horas depois, com a divulgação dos primeiros resultados, a tendência inverteu e passou a ser 60% a favor da saída do bloco europeu.

Efeito dominó - A União Europeia é uma união econômica e política criada após a 2ª Guerra Mundial. O bloco funciona como um mercado único, com livre circulação de pessoas, bens, serviços e capitais. Formado por InglaterraEscócia, Irlanda do Norte e País de Gales, o Reino Unido começou a fazer parte da União Europeia em janeiro de 1973.

O Reino Unido, no entanto, não faz parte da zona do euro – formada pelos países que têm o euro como moeda oficial. Dentre os 28 países do bloco europeu, 19 compartilham a moeda única. Os britânicos continuam usando a libra esterlina.

Até hoje, nunca um país membro deixou a união política e econômica dos países que formam a União Europeia. Em 1975, houve um referendo muito parecido com o de agora no Reino Unido, mas venceu a permanência no bloco com larga vantagem: 67% dos votos.

Há forte preocupação de que o voto pela saída tenha o efeito dominó, com outros países organizando consultas similares. Marine Le Pen, da extrema-direita francesa, afirmou que seu desejo é que cada país faça uma votação popular sobre a pertinência da União Europeia.

"Como peço há anos, agora é necessário o mesmo referendo na França e nos países da União Europeia", afirmou a líder da Frente Nacional na França pelo Twitter. Na Holanda, o chefe do Partido da Liberdade e membro do Parlamento, Geert Wilders, escreveu: "Agora é a nossa vez! Hora de um referendo holandês! #ByeByeEU".

Reino desunido - O referendo dividiu não só a União Europeia, mas o próprio Reino Unido. Apesar da vitória do "sair", votaram pela permanência a Escócia (62,0%), a Irlanda do Norte (55,8%) e a região de Londres (59,9%). Todas as outras regiões da Inglaterra e o País de Gales votaram por "sair", com percentuais que variaram de 52,5% (País de Gales) a 59,3% (West Midlands).

Na Escócia, o "permanecer" venceu em todos os distritos. A chefe de governo escocês, Nicola Sturgeon, disse que o país "vê seu futuro" como parte do bloco europeu. "A votação aqui mostra claramente que os escoceses vêem seu futuro como parte da UE", declarou a dirigente do Partido Nacional Escocês (SNP).

O chefe do movimento Sinn Fein, da Irlanda do Norte, afirmou que vai pedir um referendo sobre a união do país com a Irlanda – que fica na mesma ilha da Irlanda do Norte, mas é um outro país e não faz parte do Reino Unido. “O resultado desta noite muda dramaticamente o cenário político aqui no norte da Irlanda e nós vamos intensificar nosso caso para chamar por um referendo”, disse Declan Kearney, em comunicado.

David Cameron - Cameron é o responsável pela convocação do referendo, mas havia se posicionado a favor da permanência e alertado sobre o risco do Reino Unido deixar a UE. O primeiro-ministro chegou a afirmar que continuaria à frente do governo independentemente do resultado do referendo, mas renunciou pouco depois da divulgação oficial do resultado.

Em entrevista publicada pelo jornal "The Times" no sábado (18), Cameron disse que se sentia "responsável" pela consulta, por ter prometido convocar o referendo caso ganhasse com maioria as eleições gerais de 2015, mas também era a pessoa mais adequada para liderar as negociações necessárias graças a suas "sólidas relações" na Europa.

Líder do Partido pela Independência do Reino Unido (UKIP), Nigel Farage comemorou vitória no Twitter: "Temos nosso país de volta. Obrigado a todos vocês". Pouco depois, defendeu a formação de um novo governo. "Agora precisamos de um governo Brexit", disse Farage à imprensa em frente ao Parlamento.

O prefeito de Londres, Sadiq Khan, afirmou em entrevista à CNN que constitucionalmente o próximo premiê não precisa ser eleito em novas eleições. "Um novo líder do Partido Conservador pode assumir, mas eu suspeito que haverá uma pressão para eleições gerais de uma nova liderança", afirmou. Tanto Cameron quanto Khan são conservadores.

Comentário: (clique sobre os textos em destaque par a mais informações)

Uma das marcas do final dos tempos, segundo a profecia bíblica, será uma crise econômica mundial sem precedentes. Tal crise será um dos fatos que alavancará o anticristo a implantar a marca da besta, consolidando e controlando a economia mundial.

A saída do Reino Unido da União Européia impacta diretamente a economia mundial. É a prova de que a União Européia não cumpriu com a esperada estabilidade econômica. Os efeitos de impacto negativo na economia ainda são imprevisíveis. Economias de alguns países poderão imediatamente entrar em recessão ou colapso após a decisão de hoje, e abrirá precedentes para outros países europeus também saírem do bloco.

Recentemente li um livro excelente chamado O Presságio, do autor Jonathan Cahn, que explica não somente fatos proféticos relacionados com os atos terroristas de 11 de setembro de 2001, mas o futuro crítico da economia mundial atual desencadeado por esse evento. O capítulo 17 do livro é totalmente dedicado ao mistério da Shemitah. Shemitah significa liberação, a remissão, o descanso da terra a cada sete anos (Levítico 25:2-4). O livro correlaciona surpreendentemente bem as crises econômicas de 2001, 2008 e 2015 (ciclos de sete anos) aos preceitos da Shemitah. Vale a pena ler o livro.

É tempo de vigiarmos pois tais indícios mostram que a Volta de Jesus não está longe de ocorrer, embora não saibamos nem o dia e nem a hora (Mateus 24:36). Somente Deus Pai o sabe.

Estude mais sobre o fator da economia em crise como sinal do final dos tempos, clicando aqui.

Estude os sinais do fim dos tempos clicando aqui.

Notícias anteriores relacionadas ao mesmo tema:

12/07/2015 - Reunião do Eurogrupo termina sem acordo sobre a Grécia

05/07/2015 - Povo grego decide futuro da economia do país em referendo neste domingo

09/06/2015 - HSBC anuncia que irá encerrar atividades no Brasil e na Turquia

31/03/2013 - Grandes depositantes do Banco de Chipre perderiam até 60% de suas economias

10/06/2012 - Espanha receberá ajuda de € 100 bilhões de países da zona do euro

15/01/2012 - França rejeita novas medidas de austeridade após rebaixamento

19/06/2011 - Eurogrupo e FMI alertam para expansão mundial da crise grega

21/11/2010 - Irlanda deverá aprovar pedido de ajuda econômica da União Europeia e FMI

14/02/2009 - Congresso americano aprova pacote econômico de Obama

23/01/2009 - PIB britânico cai 1,5% e país tem primeira recessão desde 1991

29/09/2008 - Câmara dos EUA veta pacote de ajuda e Bovespa pára

25/09/2008 - Bush diz que economia toda está em perigo e chama candidatos

19/03/2008 - Bolsas européias caem, com ações de bancos, um dia após corte do Fed

10/03/2008 - Petróleo atinge US$ 107 e marca novo recorde em NY

22/01/2008 - Bolsas européias tornam a cair afetadas com temor sobre economia dos EUA

16/01/2008 - Ações da Ásia têm forte queda por medo de recessão nos EUA

24/08/2007 - Sudeste asiático planeja mercado comum para 2015

13/08/2007 - Banco do Japão injeta US$ 5 bilhões no mercado

26/04/2007 - Criação de moeda única não ocorre 'da noite para o dia'

29/11/2006 - Encontro entre Lula e Khadafi é cancelado

07/11/2006 - Projeto de lei no Senado prevê controle da Web brasileira

31/10/2005 - ONU exige que EUA deixem controle da internet

26/10/2005 - EUA lutam para manter o controle sobre os domínios da web

01/10/2005 - EUA rejeitam deixar controle da internet para ONU

14/09/2005 - ONU sedia a maior cúpula mundial de todos os tempos

29/07/2005 - G-4 aguarda aval africano à proposta de reforma na ONU

11/07/2005 - ONU discute a expansão do Conselho de Segurança

04/06/2005 - Países neutros mediarão reforma no Conselho de Segurança

02/06/2005 - China declara "perigosa" ampliação do Conselho da ONU

Últimas Notícias